sexta-feira, 27 de junho de 2008

CORAGEM DE AMAR


Eles eram felizes?

Perguntara a algum tempo como poderiam dois homens assumirem publicamente um romance nos tempos de preconceito e hiprocrisia que ainda permanece.

Eles eram felizes. Haviam decidido como agir na adolescência, quando surgiu o amor diferente. Ele fora contra sua família severamente religiosa aos bons costumes. O outro, havia tentado criar dois filhos em um casamento dissimulado. Os dois encontraram-se em meio a uma comemoração, onde uma despedida de solteiro estava sendo festejada. Os dois olharam-se.

Criaram um casulo da não-importância ao resto do mundo. A única forma de não sentir-se visto, é não olhar. Viviam suas vidas sem a preocupação dos outros. Não agrediam, não ofediam, não provocavam. Entendiam que o amor poderia ser de várias formas, cores, e jeitos.

Eles eram felizes. Todo aquele sentimento de culpa que haviam carregado durante suas vidas, esvaziou-se naquele relacionamento. Não estavam sendo falsos, nem fingidos. Viviam sua homosexualidade sem dever nada a ninguém.

Todavia, atiraram a primeira pedra naquela esquina. E logo a frase que Jesus pronunciou tão livre de preconceitos e julgamentos foi esquecida. Os dois ainda olhavam-se ternamente, ao serem encontrados pelos outros, dia seguinte.

20 comentários:

Nilson Barcelli disse...

A sociedade é sempre conservadora.
Leva tempo, mas lentamente todos começam a achar natural a homoxessualidade.

Excelente post cara amiga, gostei.

Beijinhos.

CamaReira disse...

Muito bonito este amar, este sentir e esta forma de o expressar.

Beijos

Dama de Cinzas disse...

Seu texto é uma oportunidade para dizer que odeio preconceito seja ele qual for. Acho esse sentimento um atraso para a evolução social e humana...

Quanto à homossexualidade, não se deveria mais discutir isso. Ninguém tem que se meter no que os outros fazem com sua sexualidade. Homossexualidade é uma forma de expressão de amor e não tem que ser julgada como se fosse crime, erro ou coisa parecida.

Beijos

Lyra disse...

Olá,

Chegou a atura de eu tirar umas férias :O)))

Entretanto deixei, no meu blog, um “presente” para todos os meus amigos. Espero que gostem!

Tudo de bom para ti.

Beijinhos e até breve.

;O)

Mary West disse...

Se eles eram felizes acho que o mundo de fora naum deveria ter importancia alguma.

Carla disse...

porque amar nem sempre é fácil
porque amar na diferença causa dor
porque amar é importante adorei o teu texto
beijos amigos

Fuser disse...

preconceito... é algo que deveria enojar a todos!

bj!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Amar: verbo intransitivo (Mário de Andrade). O resto não importa. meu sofrimento é muito grande amiga. embora tenha acordado bem hj, apesar da químio, e feito uma resenha sobre o filme "A Outra" em cartaz em Sâo Paulo. Como não posso sair de casa, importei-o. Trata-se da história do triângulo amoroso entre Henrique VIII, Ana Bolena e a irmã desta, Maria. Apareça aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo,

Lá vc encontrará um soneto meu

Amigao disse...

O mundo evoluiu bastante, a tecnologia, a medicina tudo desenvolveu-se de uma maneira assustadora. O prgresso chegou rápido. A facilidade com que nos comunicamos, os aparelhos tecnológicos cada vez mais modernos e impressionantes...Só faltou aprender a conviver com o semelhante e aceitar as diferenças.

Abração do amigão

Dr. Fácil disse...

Oi. O amor não tem bons constumes, nem paralelo. É mais real do que um 'hipócrita' qualquer possa imaginar... rsrs. Beijos Auréola Branca!

instantes e momentos disse...

dando mais um passeio por aqui. Bom como sempre.
Maurizio

Noslen ed azuos disse...

Que mal há em ser feliz, cada um da maneira de bem viver; o ser humano têm umas coisinhas tão sem importância que às vezes eu me decepciono com a humanidade.
Vou passar uns dias no mato para entender melhor as razões dos homens.
Até a volta!

Bjs
ns

Nilson Barcelli disse...

Já comentei...
Deixo-lhe beijinhos.

NANA disse...

Olá Auréola! =)
Me perdoe o sumiço, a demora em te responder e te visitar, mas só essa semana é que estou realmente conseguindo visitar todos os amigos....
Vi seu comentário sobre o sonho e fiquei até com um pouquinho de inveja... =|
(brincadeira)

Fiquei lisonjeada de v c se sentir a vontade de contar sua experiência lá no meu cantinho.
E fiquei pensando, se vc já conhece os blogs da Carole da Drica.
Caso não conheça, entre pelos links no meu blog, acredito que vc gostará do cantinho delas, além do fato delas estarem mais preparadas que eu para conversar com vc. Caso queira, claro.

Sobre o texto: Infelizmente a sociedade ainda é preconceituosa, muita coisa já melhorou, mas ainda há muto por fazer. Acredito que a melhor maneira de lidar com pessoas assim, seja encarar de frente, sem medo. E essa parte aqui ("Criaram um casulo da não-importância ao resto do mundo. A única forma de não sentir-se visto, é não olhar."), não creio que seja a melhor forma de resolver isso. Mas enfim, cada um tem seu tempo e seu jeito.

Beijinhos ;]

•Natalinha• disse...

muito lindo esse texto!
bjsss

NANDO DAMÁZIO disse...

Pois é, eu já não permito mais que o preconceito me impeça de viver do meu jeito e espero que muitos amadureçam para viver assim também ..

Abração !!

Beatriz disse...

Um lindo e profundo texto sobre o amor sem fronteiras e sobre a intolerância humana para com aqueles que se assumem, que não se eximem de ser felizes, que não se culpam por buscar aquilo em que acreditam.

O homossexualismo ainda provoca estas reações de ignorância e intolerabilidade, mas acredito que aos poucos os preconceituosos irão entender que a reação deles não impedirá as pessoas de buscarem a felicidade onde elas acham que a encontrarão.

Ficam flores e estrelas entrelaçando sorrisos no teu caminhar, um beijo no coração, e o desejo de uma linda e alegre quinta-feira.

Maldito disse...

Me lembrei da Música "Rubens", do primeiro CD da Cássia Eller,...conhece? Vale a pena conferir

E quanto tempo durou o tal namoro do tombo? Ou ele perpetua até hoje? Da maneira que tu escreveu, deu pra imaginar toda a cena fácil,...

Bjs
Inté!

Gerlane disse...

Maravilhoso texto, amiga! Taí, sempre são muito bons, mas este superou pela temática e a forma direta e instigante como o escreveste.
Vou me abster de comentar sobre este tipo de preconceito, pois eu passaria a noite inteira fazendo isso e, com certeza, os "miseráveis", aqueles que não sabem amar, como dizia cazuza, merecem piedade, e continuariam ou continuarão miseráveis, independentemente da minha retórica.

Beijos pra ti!

Ela disse...

Tudo isto porque algumas pessoas preocupam-se mais coma vida dos outros do que com as própeias.

aposto na vida, e aposto em deixar viver!