sábado, 29 de novembro de 2008

EM PELÍCULA

Sento-me na cama amontoada de almofadas coloridas. Com um balde de pipoca em uma das mãos e refrigerante Coca na outra, preparo-me para invadir o monitor nas infinitas histórias que contemplo na minha solitária e fria noite de sábado.

Não sei se estou para filmes americanizados, ou prefiro um bom suspense coreano. Talvez a minha vida hoje seja um francês sem tempo e espaço...

Na minha instante, todos os filmes vistos e revistos. Alguns, como "Olga- Muitas paixões em uma só vida", prefiro não rever. Outros me fazem chorar, mas alimentam em mim esperança, como "Titanic". Previsões de amor eterno (citadas em "O diário de uma paixão") misturados com um belo toque espírita ("Cidade dos Anjos") fazem de qualquer filme uma lição de aprendizado.


Ahhh, mas adoro aqueles filmes que nos deixam arrepiadas, mesmo meia hora depois do seu término, nos obrigando a flutuar nas imagens e nas mensagens ("Um crime de mestre", "Dejavú", "Amnésia", "A estranha perfeita").


Acredito em filmes como em horóscopo. Em um dia, eles podem transformar nosso humor passando a mensagem que se precisa, e de uma maneira mais divertida. Por exemplo, nunca esqueço que já vivi como a personagem central de "O Diabo veste prada" no meu antigo emprego. E que possuo uma família igualzinha a do filme "Casamento grego". Quer mais coincidências? "Minha mãe quer que eu case" é um excelente filme para dar de Natal a minha mãe, e "Closer-Perto demais" representaria às instabilidades amorosas que convivo em algumas fases da minha vida.


Todavia, há uma coisa que me deixa melancólica: a finalização do filme. Devoro de tal forma todo o roteiro, produção, e interpretações que acabo por me entristecer ao ver tudo aquilo ser substituído pelos letreiros de créditos. Até pouco tempo estava tão presa às ficções que chegava a passar 8 horas por dia na frente da tv. Lembro que li em algum site que isto seria uma fuga da minha realidade, buscando em atores o meu eu verdadeiro.


Bom... Se eu pudesse viver de obras cinematográficas, certamente seria menos lúcida e racional. Acordaria "Uma linda mulher", pois teria dado "100 escovadas antes de dormir" nos meus cabelos. Não me preocuparia tanto com "A vida dos outros", porque teria uma melhor pra eu viver. Com certeza, "Antes do pôr do sol" iria ao "Cine Paradiso" com "Chocolate" na mão, acreditando talvez encontrar "O Fantasma da ópera" em alguma poltrona ao meu lado, e, quem sabe, com ele "O amor pode dar certo" , porque "Simplesmente amor" é o que se deve esperar de encontros banhados a luz de um telão. O meu "Shrek" provavelmente puxaria algum assunto nas partes chatas do filme e depois perguntaria "As coisas que perdemos no meio do caminho". Como "Um crime de mestre", ele investigaria cada jeito meu e absorveria "Onde os fracos não têm vez", mostrando-me "O poder além da vida". Acabado o filme, iríamos jantar juntos, e descobriria em uma tarde "Seven-Os sete pecados capitais" e os incríveis "Jogos mortais" do coração. Sairíamos de lá "Totalmente apaixonados", mas evitaria ir ao "Quarto 1408" ou de "Numero 23" pela numerologia. "O som do coração" iria ser o mais alto possível, porque eu teria certeza que estaria "Muito bem acompanhada", pois a "Letra e Música" da gente estaria sintonizada. Talvez ele não fosse "Meu primeiro amor", mas tudo sairia "Como se fosse a primeira vez"...
"E o vento levou" mais algumas horas...

8 comentários:

Adinha disse...

Incrível!!!
Me fez refletir, parabéns!!!

Fuser disse...

faz um tempo que ñ passava por aqui, ainda bem que eu guardei o endereço... passar por aqui sempre é bom =D

bj! boa semana!

Dama de Cinzas disse...

Teu post ficou muito legal! Principalmente o último parágrafo! Eu adoro ver filmes, nos momentos de tristeza são é o meu melhor remédio!

Beijocas

Jhony disse...

topa parceria???

http://meunomenaoehjhony.blogspot.com

Paradoxos disse...

Fui lendo e vendo-te como num texto poematográfico. O texto ja faz um filme!
:-) beijo grande

jo ra tone disse...

Auréola,
Os textos dão que pensar.
Quem vê na realidade o que se passa à nossa volta, e ao agirmos como verdadeiros humanos, sentimos o verdadeiro ser que somos, e o para que fomos criados.
Filmes... tenho saudades daqueles quando vistos do princípio até ao final, e tirar conclusões, principalmente aventuras, românticos ternos e mais...
Um beijinho

Lyra disse...

Decididamente gosto muito de te ler!

Um excelente fim-de-semana para ti.

Beijinhos e até breve.


;O)

Lyra

Diario da Fafi disse...

Olá.
Passei por aqui pra desejar um
Feliz Natal repleto de poesia e rimas.

Encha o pulmão, respire fundo e encha sua vida de amor do universo. Ele é enorme.

Aproveite cada pedacinho,

fafi