domingo, 15 de novembro de 2009

MÁSCARAS

Iludir-me-ão uma vez, mas duas... nunca!

...

Arrastou-me para um conto de fadas, onde o rei era camuflado. Ele vivia de sonhos e promessas, construindo estórias sob seu castelo. Seu cavalo eram as mentiras, que ele treinava em branco com manchas marrons encravadas na pele.

...

E sob luzes artificiais pude ver sua verdadeira face de ilusões. Ele me olhava com olhos puros de quem mente sem sentir, sem doer. E eu, ali, fingia gostar da sua fruta crua de mensagens subliminares.

Acreditei que não mais acreditaria em nós, não durante a razão e nas poucas vezes q tirava sua máscara. Escondeu-se durante tanto tempo por trás de desculpas que não dependiam dele. E, ao raiar do sol, já não mais havia o que pudesse dissimular, sem aquela que foi o único pretexto para não viver sua realidade. Cruel para mim, verdade para ele.

Mas, sabendo-me que também vivo por máscaras (quem não vive?) e, deixando-me preservar por trás de algumas duras e frias, vejo que julgar seria tão errado quanto mentir. Por enquanto, deixo que minhas palavras me escondam.

11 comentários:

Diário de Solteiras disse...

Quem não vive? Acho que essa é uma pergunta um tanto quanto complicada, acredito que todo mundo vive! Adorei o post e o blog também, já estamos seguindo-te. ;)

Fernando Amaral disse...

Baile de máscaras...

Lúcia Amorim: disse...

Boa noite,
... onde o rei era camuflado..." tirar sonhos é como um punhal solto em plena multidão sem mãos para segurar o mundo.
Carinho Lúcia Amorim

heretico disse...

"julgar seria tão errado como mentir".

gostei muito.

beijo

Daniel Aladiah disse...

Querida Auréola
Se por aqui foi, e por aqui se quis fazer, talvez não fora o caminho, e ser prevenido é bom augúrio...
Um beijo
Daniel

EuEle disse...

Não desista minha querida. Veja o meu caso. Tentei por tanto tempo e só agora tenho um amor sem mascaras. Não somos tão belos, será que os outros eram? Mas somos o que somos eu e ele. O que existe entre nos e solto e visível, pleno. Quantas vezes quis morrer de dor de amor, mas tenho um segredo que me fez sobreviver, vou contá-lo a vc. Sempre quando sofria por amor lembrava a relação e vivenciava somente os momentos bons e verdadeiros, afinal eu os vivia no maximo de minha forca. Eu sempre fui verdadeiro, mesmo que ele não tenha sido, a relação para mim foi real. Se para ele não foi, azar o dele. Neste momento sentia um alivio de não ter perdido meu tempo, desgastado minha capacidade de amar, pois tinha sido tudo verdade, para mim. Com esta sensação e calor ia em frente. Vc tão linda e bonita (linda pelo que escreve e bonita pelo minha imaginação, nunca te vi........)vai sentir e viver ainda o grande amor. Talvez não seja infinito ao tempo mas durara para sempre. Se agite, derrube a poeira e vamos em frente. Grande beijo. Paulo

Sr do Vale disse...

Pobre menina de olhos tão brilhantes.
E pensar que olho para os lados quando vejo um comentário seu, como se fosse alcançá-la.

jorge manuel brasil mesquita disse...

talvez seja verdade que todos usemos máscaras quando nos vestimos com personagens que gostaríamos de ser, com vidas que são disfarces dos nossos disfarces naturais, com nuvens, umas vezes carregadas de chuva, outras, alvas como qualquer virgindade que pretendemos preservar, mas não há meios de escondermos a verdade dos nossos olhos quando demonstram com os seus olhares a realidade que é indisfarçavel. Será possível usar máscaras, vendando os olhos?

Moinho das Antas, 05/12/2009 - jorge brasil mesquita
www.gomosdotempo.blogspot.com

Ela disse...

Quem nunca as utilizou, levante a mão.

belo texto.
beijo
saudade de ti

jo ra tone disse...

Uma vida sem máscara e sem grandes manchas é sempre conveniente.
Beijinho

O Profeta disse...

Sopro esta brisa que percorre as cumeeiras
E arrasto comigo este denso e frio nevoeiro
A noite envolve-me em seu escuro manto
Um milhafre soltou um grito derradeiro

O fogo surgiu do nada
A chama da paixão lambeu uma pedinte mão
Que levou o calor tatuado, abrasador a outra
Duas mãos postas, apontam ao divino uma oração

Na calada da noite despertam os sons
Mil olhos são estrelas na terra
O feitiço da Lua envolve os amantes
O amor tem como pano de fundo doce quimera

Voa comigo no feitiço do vento


Mágico beijo